Cristo é o Arcanjo Miguel?

A história registra que a Igreja Adventista e a Sociedade Torre de Vigia (Testemunhas de Jeová), possuem um corpo doutrinário comum, acerca do Inferno, imortalidade da alma, crença que Jesus seja o arcanjo Miguel etc. No testemunho de Charles Taze Russell, fundador e primeiro presidente das Testemunhas de Jeová diz:

“…Ali, pela primeira vez, ouvi algo sobre os conceitos dos adventistas [Igreja Cristã do Advento], sendo o Sr. Jonas Wendell o pregador… Assim, reconheço estar endividado com os adventistas…”( Testemunhas De Jeová – Proclamadores Do Reino De Deus, STV, 1993, pág. 43).

Charles Taze Russell associou-se a Nelson H. Barbour, um dissidente do movimento adventista, por um período de tempo, ocasião em que publicaram a revista mensal Herald of The Morning (O Arauto da Aurora). Não é sem razão, pois, que tanto os adventistas como as Testemunhas de Jeová tenham ponto de vista iguais sobre a pessoa de Jesus como sendo o próprio arcanjo Miguel. Dois nomes para uma só pessoa. É preciso que, antes de analisarmos declarações de ambas organizações religiosas, tenhamos presente a necessidade absoluta em conhecermos o Jesus verdadeiro indicado na Bíblia, para não aceitarmos um ‘outro’ Jesus . Paulo declara em II Co 11.4:

“Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão sofrereis”.  II Co 11.4

O QUE DIZEM OS ADVENTISTAS

Dizem os adventistas: “Cremos que ‘Miguel’ [original Michael] não é senão um dos muitos títulos aplicados ao Filho de Deus, Jesus…”. Noutro escrito adventista se lê: “Nas Escrituras, Miguel, cujo nome significa ‘Quem é como Deus?‘, é descrito como ‘arcanjo’ (Judas 9)…”… “Uma análise detida… dentro do contexto bíblico deixa claro que Miguel é apresentado no texto sagrado como um Ser divino…”

O QUE DIZEM AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

Como é conhecido dos estudiosos das seitas, as Testemunhas de Jeová mudam freqüentemente suas doutrinas. Embora reconheçam que mudanças doutrinárias perturbam as pessoas honestas, elas usualmente incorrem em mudanças doutrinárias. E, conseqüentemente, não poderiam deixar de apontar Jesus de modo diferente da Bíblia no que concerne ao arcanjo Miguel.

JESUS É MIGUEL?

Não! – diziam as Testemunhas de Jeová. “Sua posição é contrastada com a de homens e anjos, como Senhor de ambos, tendo todo o poder no céu e na terra”. Desde que está escrito, “E todos os anjos de Deus o adorem.”; [ isto inclui Miguel, o chefe dos anjos, dado que Miguel não é o Filho de Deus] e a razão é que “herdou mais excelente nome do que eles.”

 MIGUEL É JESUS?

Sim! – dizem as Testemunhas de Jeová. “É Jesus Cristo a mesma pessoa que o arcanjo Miguel?”.
“… a evidência indica que o Filho de Deus, antes de vir à terra, era conhecido como Miguel, e também é conhecido por esse nome desde que retornou ao céu, onde reside como o glorificado Filho espiritual de Deus.”

AS DIFERENÇAS ENTRE MIGUEL E JESUS

No Nome

O nome Miguel significa “Quem é Como Deus?”. Encerra uma pergunta, sem afirmar que Miguel seja Deus. Já o nome Jesus significa “Javé é o Salvador”. É uma afirmação que enfatiza a diferença de Miguel.

Em Is 43.11 se lê:

“Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador”.  Isaías 43.11

Essa declaração é aplicada a Javé nas Escrituras Hebraicas, como as Testemunhas de Jeová costumam referir-se ao Velho Testamento. Nas Escrituras Gregas ou Novo Testamento, vamos encontrar que a salvação é obra exclusiva de Jesus:

E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens pelo qual devamos ser salvos“(At 4.12).

Embora o Pai e Jesus sejam duas pessoas distintas (Jo 8.16-18), constituem o mesmo Deus Salvador. Assim a palavra Deus, pode ser aplicada a qualquer uma das três pessoas da unidade divina (Pai – Jo 17.3; I Co 8.4,6; Ef 4.6; Filho – Jo 1.1; Rm 9.5; Hb 1.8-9 comp. Sl 45.6-7; I Jo 5.20; e Espírito Santo – At 5.3-4; 7.51 comp. Sl 78.18-19). São três pessoas, mas um só Deus, e não podemos confundir as pessoas, nem separar a substância. Jesus Cristo é a segunda pessoa da Trindade, é Deus (Jo 1.14) e homem (I Tm 2.5). O arcanjo Miguel é uma pessoa distinta de Jesus no significado do próprio nome.

Na Natureza

Miguel é anjo, na hierarquia angelical de arcanjo. Embora possa ser tido como chefe dos anjos, não deixa de ser criatura. Falando dos anjos diz Hb 1.14:

“Não são porventura todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação?”  Hebreus 1.14

A função dos anjos é servir àqueles que vão ser salvos. Como tal os anjos defendem os cristãos das artimanhas do diabo e de inimigos terrenos (Sl 34.7; 91.11). É digno de nota, ainda, que os anjos estão sujeitos a Cristo:

“O qual está à destra de Deus, tendo subido ao céu; havendo-se sujeitado os anjos, e as autoridades e potências” (I Pe 3.22).

Jesus, diferentemente de Miguel, é o Criador do próprio Miguel. Em Cl 1.16, lemos:

“Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele”.  Cl 1.16

Cristo é o Criador de todas as coisas, e dentre elas, as coisas invisíveis que compreendem toda a hoste celestial na categoria de anjo, arcanjo, querubim, serafim. Conseqüentemente, Jesus é o Criador de Miguel, não podendo ser confundidas as pessoas do Criador (Jesus) e da criatura (Miguel).

Ainda na natureza de ambos, Miguel e Jesus, se nota que Miguel é arcanjo enquanto Jesus é Deus, a segunda pessoa da Trindade. O Deus verdadeiro único é o que sendo um na essência, é trino nas Pessoas. É chamado Deus Criador em Jo 1.1-3.

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez”. Jo 1.1-3

Jesus em Jo 3.16 é chamado “Filho Unigênito”. A expressão “unigênito”, (monogenes), em grego, vem de dois vocábulos: (monos) significa “único” e (genes) apresenta duas possibilidades: uma “gerar” e outra que parece receber apoio em todo o contexto bíblico, é a que significa “raça”, “tipo”, de onde vem o “gen” da genética, responsável pela transmissão dos caracteres para os filhos. Ser “Filho Unigênito” é ser o único da espécie do Pai; é ter a mesma natureza. Esse Pai é Deus; logo o Filho também o é.

Na Adoração

Miguel não pode ser adorado. Dentro de toda a hierarquia angelical é terminantemente proibido prestar culto aos anjos, qualquer tipo de culto, como se lê em Cl 2.18,

“Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, metendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão”. Cl 2.18

Os próprios anjos são conhecedores que não se lhes deve prestar adoração e por isso recusam-na abertamente. Isso se pode ler em duas partes da Bíblia: Em Ap 19.10 e Ap 22.8,9

“E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: Olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos que têm o testemunho de Jesus: adora a Deus”. Ap 19.10

“E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que, mas mostrava para o adorar. E disse-me: 0lha não faças tal… Adora a Deus”.   Ap 22.8,9

Já, com respeito à pessoa de Jesus, não há qualquer problema em adorá-lo. Sabemos que os anjos são maiores do que nós (Hb 2.6,7), entretanto prestaram adoração a Cristo sem qualquer constrangimento. É interessante notar que é o próprio Deus que ordena essa adoração, como se lê em Hb 1.6

“E quando outra vez introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem”.   Hb 1.6

Se Jesus fosse um anjo, na hierarquia de um arcanjo como Miguel, então seriam os anjos tidos como idólatras, pois não é correto que um chefe de anjo seja adorado por outros anjos. Mas, na continuação da leitura de Hebreus, capítulo primeiro, versículos 4,5 e 6, pode-se ler sobre a superioridade de Jesus em relação aos anjos; o verso 8 mostra essa razão, quando o Pai declara de seu filho:

“Mas do Filho diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos, cetro de equidade é o cetro do reino.”  Hb 1.4,5-6

No céu, ao nome de Jesus, se prostram todos os seres criados:

“Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus…”  (Fp 2.10).

A Adoração ao único Deus é vista da seguinte forma em Apocalipse 5.13:

“E ouvi, a toda criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e eu está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre”.  Apocalipse 5.13

Miguel, nunca foi chamado de “Cordeiro” na Bíblia.

Mudanças doutrinária

Quando adotamos um conceito errado sobre algum ponto doutrinário, e, reconhecemos o erro e o abandonamos, tal atitude é elogiável, pois Deus não leva em conta os tempos da nossa ignorância (At 17.30). Mas é terrível, muito terrível mesmo, quando estamos certos e abandonamos o que é correto para adotar um ponto de vista errado, assim considerado à luz da Bíblia. Isso é apostasia teológica (I Tm 4.1).

As Testemunhas de Jeová mantiveram por muitos anos um conceito certo sobre Jesus, negando que ele fosse o próprio arcanjo Miguel, e arrazoaram corretamente com a citação de textos que não davam margem à idéia errônea de que Miguel e Jesus fossem a mesma pessoa. Apresentava os textos de Mt 28.18 que declara ter Jesus todo o poder no céu e na terra; poder esse que os anjos não tem; apresentavam Hb 1.6 que ordena a todos os anjos que adorem a Jesus; quando os próprios anjos não podem ser adorados; e, finalmente, com Hb 1.4, onde se lê que Jesus recebeu nome mais excelente do que os anjos (The Watchtower, nov. 1879, p. 48).

Mas atualmente a Sociedade Torre de Vigia das Testemunhas de Jeová, para justificar sua posição de que Jesus é Miguel, argumentam da seguinte forma: “O nome deste Miguel ocorre apenas cinco vezes na Bíblia. A gloriosa pessoa espiritual que leva esse nome mencionado como ‘um dos primeiros príncipes’, ‘o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo (o de Daniel)’, e como ‘o arcanjo'(Dan. 10.13; 12.1; Judas 9, ALA). Miguel significa: ‘Quem É Semelhante a Deus?'”(Raciocínios À Base Das Escrituras, STV, 1985, p. 219).

EXAME DAS CINCO VEZES ONDE APARECE O NOME MIGUEL

São cinco as referências citadas para apoiar o ensino segundo o qual, Miguel e Jesus, são a mesma pessoa:

Primeira:

Daniel 10.13: “Mas o príncipe do reino da Pérsia se pôs defronte de mim vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me”.

Comentário: É de notar a declaração hierárquica que se faz de Miguel – “um dos primeiros príncipes”, o que faz deduzir que Miguel é apenas um dentre outros. Isso quer dizer que existem outros iguais a Miguel. Tal não acontece com Jesus: ele não “um dos primeiros”, mas é o único. Enquanto se fala de Miguel como um príncipe dentre outros, Jesus é chamado o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Isso é visto em Ap 19.16:

“E no vestido e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores”.  Ap 19.16

Ora, este texto só pode fazer paralelo com o próprio Deus Javé que a si mesmo se declara:

“Pois o Senhor vosso Deus, é o Deus dos deuses, e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas”.(Dt 10.17)

O mesmo se lê no Sl 136.3,

“Louvai ao Senhor dos senhores; porque a sua benignidade é para sempre”.  Sl 136.3

Segunda:

Daniel 10.21: “Mas eu te declararei o que está escrito na escritura da verdade; e ninguém há que se esforce comigo contra aqueles, a não ser Miguel, vosso príncipe”.

Comentário: Miguel é tido nesse texto como defensor do povo judeu. Jesus é defensor de todos os povos como declara I Jo 2.1:

“Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis: e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo”.  I Jo 2.1

Terceira:

Daniel 12.1: “E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta pelos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele livrar-se-á o teu povo, todo aquele que se achar escrito no livro”.

Comentário: No tempo da grande tribulação para o povo judeu (Jr 30.7), depois do arrebatamento da Igreja, Miguel se porá a favor do povo judeu, que, por fim, aguardará o seu Messias, Jesus Cristo (Zc 12.10; 14.4).

Quarta:

Judas 9: “Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda.”

Comentário: Notamos que Miguel não lutou contra Satanás na disputa sobre o corpo de Moisés, por faltar-lhe autoridade para tanto. Usou da autoridade do nome de Jesus, “O Senhor te repreenda”.Jesus, enquanto aqui na terra, lutou várias vezes contra Satanás, vencendo-o. Alguns exemplos:
Em Mt 4.1-10, por três vezes Jesus repreendeu Satanás e por fim ordenou categoricamente: “Vai-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorará, e só a ele servirás. Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviram”.(v.10,11).

Em Mt 16.21-23 de novo Jesus repreende o diabo, manda-o retirar-se e ele não contesta, mas obedece prontamente: “Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens”.

Em Mc 16.17 ele concede poder aos seus seguidores de usar o seu nome para expulsar demônios: “Em meu nome expulsarão demônios…

Em At 19.12, 13 se lê que até os exorcistas sabiam do poder do nome de Jesus sobre os demônios. Tentavam usar esse nome, mas sem a autoridade do próprio Jesus, foram envergonhados. Já no caso de Paulo, que invocava o nome de Jesus, os demônios não suportavam a autoridade desse nome e se retiravam. Como Miguel e o Senhor Jesus podiam ser a mesma pessoa, se Miguel não ousou repreender Satanás, o que foi feito por Jesus várias vezes durante o ministério na terra?

Quinta:

Ap 12.7: “E houve batalha no céu: Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhava o dragão e os seus anjos”.

Comentário: No v. 7 fala-se de Miguel e, se esse Miguel é o próprio Jesus, por que no v. 11 afirma-se que o povo de Deus venceu o inimigo pelo sangue do Cordeiro? Está escrito no v. 11: “E eles (o povo de Deus) venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte”.Gostaríamos de ver qualquer intérprete da Bíblia substituir esse texto, colocando o seguinte: “E eles venceram pelo sangue de Miguel…” Haveria alguém que atribuísse a vitória do povo de Deus ao sangue de Miguel? O povo de Deus sempre tem vitória pelo nome e pelo sangue de Jesus ( Lc 10.19; At 1.8; 3.6; Ef 1.7, 20-22).

Com relação ainda a I Ts 4.16 dizem as Testemunhas de Jeová:

“Em 1 Tessalonicenses 4.16 a ordem de Jesus Cristo para a ressurreição começar é descrita como ‘a voz do arcanjo’, e Judas 9 diz que o arcanjo é Miguel.”… É, portanto razoável que o arcanjo Miguel seja Jesus Cristo.”(Raciocínios À Base Das Escrituras, STV, 1985, p. 219).

“Ora, lendo-se todo o texto em tela se observa que Jesus não só vem com voz de arcanjo”, mas com a trombeta de Deus “. Se o fato de Jesus vir ‘com voz de arcanjo’ o torna o arcanjo Miguel, o fato também de ele vir com ‘trombeta de Deus’ o coloca, obviamente, como Deus. O exército celestial acompanhará Cristo na sua segunda vinda, como é mostrado em Mt 25.31

” E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele…”.  Mateus 25.31

Quando se lê ‘todos os santos anjos com ele’ se inclui certamente o arcanjo Miguel. O mesmo se lê em Ap 19.11,14. O v. 14 declara:

“E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro”.  Ap 19.14

É digno de nota, ainda, que o Jesus das Testemunhas de Jeová passou por três fases: antes de vir a terra chamava-se, no céu, de arcanjo Miguel; ao tornar-se homem, nascendo da virgem Maria, abandonou o nome que lá tinha e tornou-se somente homem, nada mais do que homem, um homem perfeito como Adão antes da queda; ao ressuscitar dos mortos e ascender ao céu, o Jesus de Nazaré homem, deixou de existir para sempre, voltando a ser o arcanjo Miguel, de novo. No livro Ajuda ao Entendimento da Bíblia, STV, p. 1111 diz: “A evidência Bíblica indica que o nome Miguel Logo se trata de um Jesus mutável na sua natureza: anjo, homem, anjo. Isso chega as raias de blasfêmia inominável contra o eterno Senhor e Salvador Jesus Cristo, pois a Bíblia Sagrada diz:

“JESUS CRISTO É O MESMO ONTEM, E HOJE, E ETERNAMENTE” (Hb 13.8).

 

 

Cristo é o Arcanjo Miguel?
4.2 (83.33%) 6 votes

Pesquisas que levaram a este artigo:

  • quero ouvi arcanjo mugeu

Receba Estudos Bíblicos Grátis 

Coloque Seu Email no Formulário

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

4 Comentários

  1. Genilda disse:

    eu créu que jesus é um só anjo minguel é anjo jesus seja louvado todos que tem folergo louve a jesus Amém. quero saber da teseira tridade espirito santo de Deus.obg

  2. Alcides disse:

    No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
    Ele estava no princípio com Deus.
    Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
    Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
    E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
    Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.
    Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.
    Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.
    Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.
    Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu.
    Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
    Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;
    Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
    E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
    João testificou dele, e clamou, dizendo: Este era aquele de quem eu dizia: O que vem após mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu.
    E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por graça.
    Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
    Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.
    E este é o testemunho de João, quando os judeus mandaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para que lhe perguntassem: Quem és tu?
    E confessou, e não negou; confessou: Eu não sou o Cristo.
    E perguntaram-lhe: Então quê? És tu Elias? E disse: Não sou. És tu profeta? E respondeu: Não.
    Disseram-lhe pois: Quem és? para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes de ti mesmo?
    Disse: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta